Aldeia Marinhaes

Quando preparámos a visita a Santarém colocámos no roteiro o núcleo museológico da AMAR, para conhecer o património, as vivências e as tradições da vila de Marinhais, mais uma vila piscatória do rio Tejo.

Porém, quando lá chegámos encontrámos apenas a estação do caminho-de-ferro de marinhais, fechada há muito. Vimos um comboio de carga passar (UAU…) e ficamos tristes. O interior da casa parece ter sido feito com o máximo de carinho e cuidado pela Associação para a Defesa do Património da Vila de Marinhais (AMAR).

Depois da desilusão e de termos percorrido o interior da aldeia em vão, seguimos viagem outra vez na N118. Refletimos sobre os apoios à cultura em Portugal e sobre o associativismo no nosso país. Com este flop seguimos caminho pela N118, desviámos para a rua Alves Redol, uma estrada de terra batida, que nos levou até à Aldeia de Escaroupim.

Já alguma vez te aconteceu ires a um local e encontrá-lo fechado?

Nas Redes Sociais:

Mais artigos

Vila avieira do Escaroupim

Os “nómadas do rio” escolheram Escaroupim para viver e trabalhar. Famílias inteiras que durante décadas mostravam a sua resiliência. Já conheces a história de Escaroupim? A região ribeirinha do Escaroupim

Ler este artigo »

Deixe-nos ajudá-lo a planear a sua próxima aventura

O que achas deste artigo?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *